5.1.12

Sobre a privatização do miradouro da Vitória

Já tinha deparado com o miradouro da Bataria da Vitória encerrado ao público, com um aviso indicando que é agora propriedade privada, como referiu J.A. Rio Fernandes n’A Baixa do Porto.

Fotografia de George Tait - 1888.

O miradouro, local carregado de história, levou, no entanto, uma primeira machadada nos anos 90, com a construção de um edifício que impede a fruição da vista do casario que desce da Vitória até ao fundo do vale, e sobe depois até à Sé. Ignoro de quem foi a iniciativa da construção, se da Fundação para o Desenvolvimento da Zona Histórica do Porto ou da própria câmara. Sei que a vista daquele sítio, que faz parte da iconografia portuense, ficou assim amputada de uma das suas melhores partes. Para além de outros autores, foi fotografado por George Tait, em 1888, e repetidamente pintado por aquele que foi considerado, por Abel Salazar, o maior aguarelista português dos tempos modernos, António Cruz.

Aguarela de António Cruz.

Só não fiquei "estarrecido" com a privatização do miradouro, como se manifesta J. A. Rio Fernandes, com razão, porque não espero, nunca, nada de bom dos poderes públicos em Portugal. Foi assim que me ensinou a prática da vida, alguma memória e uma observação que julgo atenta.



6 comentários:

  1. Fui lá antes de vir embora de Portugal, como diz o nome do blog, Deprimente. Cheio de lixo, mato, totalmente descuidado, claro que a vista é sempre bela, mas o facto de parecer que estamos num aterro deixa-nos totalmente desconfortáveis, a mim deixou.

    É triste que seja fechado ao público tal vista, mas pode ser que uma mão privada trate do local como ele o merece e no futuro o reabra a público..

    ResponderEliminar
  2. É provável, Nuno Cruz, que o logradouro da Vitória venha a ser mais bem tratado por um privado, no entanto, creio que quem o vendeu pela ridicularia de 500 e tal mil euros - uma entidade pública - deveria ter acautelado o usufruto público do local. Segundo o Jornal de Notícias de hoje, isso não terá acontecido. A empresa que comprou o palacete e o miradouro deixa entender que o tem à venda.

    ResponderEliminar
  3. Há crimes urbanísticos que não têm nome... nem autor!

    ResponderEliminar
  4. É verdade que o edifício que ali construíram é uma aberração em todos os sentidos. Mas de ideias parvas como esta está o Porto cheio. Hoje mesmo estive no miradouro e é frustrante ter aquele bloco sem graça a tapar uma boa parte da vista, precisamente aquela que faz sobressair a profundidade do vale do Rio de Vila.
    Quanto à questão ultimamente tão debatida sobre a privatização do Largo da Bataria, outra ideia aberrante, outra decisão criminosa, faço fé nas alegadas boas intenções do "proprietário" (entre aspas porque considero que os verdadeiros proprietários somos todos nós) em manter o espaço aberto ao público, até porque se trata de um lugar com muitas visitas de turistas. Nos últimos dias já lá estive 3 vezes e não falta quem visite. Pelo que entendi, o miradouro já era há décadas propriedade privada porque alguém se aproveitou da situação e fez-se dono daquilo.
    Acredito que, após a renovação do edifício, o miradouro continuará a estar aberto ao público, exceptuando à noite, para evitar o que muitas vezes aconteceu: gente a frequentar o local durante a noite, fazendo barulho que impede quem mora ali de dormir, sujando o local e até mesmo a consumir drogas. É por isso que o portão está fechado, segundo uma conversa que tive com um morador. Neste momento o local está limpo de lixo e sossegado. Nao tem a relva tratada como um jardim público mas não tem mato em excesso.
    quanto ao seu futuro, a ver vamos e espera-se que se mantenha nosso (sem aspas).

    ResponderEliminar
  5. Carlos, aqui em Porto Alegre, na década de 70, fruto de uma política "desenvolvimentista", muitos crimes contra o patrimônio histórico arquitetônico foram cometidos. Posteriormente, fruto do esforço de muitos arquitetos gaúchos foi criada uma legislação de proteção ao patrimônio cultural e ambiental, e os poucos prédios remanescentes estão sendo recuperados.
    Paulo Bettanin.

    ResponderEliminar
  6. rui moutinho14.3.12

    Há coisa de um mês fui ao Porto (tripeiro há 63 anos, mas "coimbrinha" há 62, vou lá regularmente sempre com paixão...) visitar a Essência do Vinho no Palácio da Bolsa. Depois de ter almoçado, tardia mas abundantemente,na Casa Correa (a propósito: das melhores tripas que se podem comer na Invicta, às
    quintas-feiras...) e de ter visitado uma bela exposição de fotografia no Centro Nacional de Fototgrafia, resolvi descer até à Ribeira passando pelo histórico miradouro da Bataria da Vitória. O portão de acesso (que devia ter sido fechado pelo actual proprietário...PRIVADO!), estava entreaberto, o que permitia que locais e turistas entrassem e disfrutassem de tão extraordinária vista. Apesar de tudo, o local, embora abandonado, não tinha lixo!
    Será um crime se o actual ou futuro proprietário não alindar o miradouro e não permitir o seu usufruto público (de borla, claro está!).
    Agora, o que mais me impressiona e indigna é que um local com tanto significado histórico para a Mui Nobre e Sempre Leal cidade tenha sido vendida a um particular. Com entidades públicas como estas, o Porto não precisa de inimigos externos. Eles estão lá dentro e, como se sabe, são sempre os mais perigosos!

    ResponderEliminar

Etiquetas

A Brasileira Avenida da Ponte Avenida de Vímara Peres Bairro do Aleixo Calçada da Corticeira Câmara Municipal do Porto Carregal Cinema Águia d'Ouro Clérigos Cordoaria Edifício Imperial Fontainhas Fontes do Porto Fontinha Grafismos Guindais Horrores urbanos à moda do Porto Jardim Botânico Largo do Moinho de Vento Largo do Terreiro Largo dos Lóios Livrarias Mamarrachos Mercado do Bom Sucesso Miragaia Monumento a António Nobre O chão surrado O Porto a oriente O Porto não é a Disneylândia O Rapto de Ganimedes Outros temas Pena Ventosa Polícia de Segurança Pública Ponte Maria Pia Porto Património Mundial Praça da Batalha Praça da Liberdade Praça da República Praça da Ribeira Praça de Almeida Garrett Praça de Carlos Alberto Praça de Gomes Teixeira Praça de Lisboa Praça do Infante Praça dos Poveiros Rua Barão de Nova Sintra Rua da Bainharia Rua da Madeira Rua da Ponte Nova Rua da Reboleira Rua das Flores Rua das Taipas Rua de 31 de Janeiro Rua de Álvares Cabral Rua de Ceuta Rua de Cimo de Vila Rua de Fernandes Tomás Rua de Gonçalo Cristóvão Rua de Miguel Bombarda Rua de Mouzinho da Silveira Rua de Passos Manuel Rua de S. Bento da Vitória Rua de S. João Novo Rua de S. Miguel Rua de Sá da Bandeira Rua de Sá Noronha Rua de Sampaio Bruno Rua de Santa Catarina Rua de Trás Rua de Trindade Coelho Rua do Almada Rua do Bonjardim Rua do Cativo Rua do Infante D. Henrique Rua dos Caldeireiros Rua dos Mercadores Rua dos Pelames Sem Abrigo Terreiro da Sé Travessa da Rua Chã V.N.Gaia Viela do Anjo Viela do Buraco Virtudes Vitória

Não deixe de visitar

Acerca de mim

A minha foto
Uma vida ao serviço da comunicação empresarial, como videógrafo, fotógrafo, designer e copywrighter.

Seguidores