19.4.17

Horrores urbanos à moda do Porto


VI - Rua General Sousa Dias

Houve um tempo em que o conceito de urbanismo passava por demolir, construir de novo e facilitar a circulação automóvel. Foi assim que aconteceram as demolições documentadas nas imagens, dando origem ao viaduto de Duque de Loulé. Quer dizer, cumpriu-se uma premissa, a do incentivo ao uso do automóvel, deixando a de refazer cidade para melhores dias. Isto foi há 52 anos, no coração do Porto. De então para cá, com tantas juras juradas de amor pela cidade e declarações de boas intenções, não houve um único responsável político municipal que acabasse de vez com este horror urbano, onde até as palmeiras, única nota de graça ali existente, desistiram de viver.





3 comentários:

  1. As palmeiras da cidade estão todas mortas ou a morrer; não são só as das fotografias. Disseram-me que é uma espécie de lagarta que as ataca, a ponto de as matar.

    ResponderEliminar
  2. É um escaravelho oriundo da Ásia que ataca as palmeiras das canárias. As que estavam em locais privados, no Porto, praticamente desapareceram em quatro ou cinco anos. Nos locais públicos, devido à intervenção municipal, sobreviveram incólumes as do Passeio Alegre (pelos menos aparentemente). As dos Leões (Praça Gomes Teixeira) e as da Praça da República, foram atacadas mas acabaram por reagir bem ao tratamento.
    A referência que fiz no texto, foi no sentido de acentuar que até as palmeiras contribuem para a desolação daquele espaço.

    ResponderEliminar
  3. Olá amigo Carlos Romão.
    Esta desolação assisti também ao viajar para Pelotas, uma cidade de uma requintada arquitetura, mas que o descaso público privado está transformando em uma verdadeira "cidade deprimente". O rico acervo arquitetônico da chamada Princesa do Sul está abandonado e muitos prédios que foram tombados ao Patrimônio Público, hoje tombam pelo descaso deste mesmo poder público relapso, além das maléficas pichações que faz com que desistam de conservar as pinturas e sua originalidade, pois esta praga de vândalos destroem em minutos o que foi com tempo e carinho conservado. Infelizmente.
    Grande abraço amigo portuense.

    ResponderEliminar

Etiquetas

A Brasileira Avenida da Ponte Avenida de Vímara Peres Bairro do Aleixo Calçada da Corticeira Câmara Municipal do Porto Carregal Cinema Águia d'Ouro Clérigos Cordoaria Edifício Imperial Fontainhas Fontes do Porto Fontinha Grafismos Guindais Horrores urbanos à moda do Porto Jardim Botânico Largo do Moinho de Vento Largo do Terreiro Largo dos Lóios Livrarias Mamarrachos Mercado do Bom Sucesso Miragaia Monumento a António Nobre O chão surrado O Porto a oriente O Porto não é a Disneylândia O Rapto de Ganimedes Outros temas Pena Ventosa Polícia de Segurança Pública Ponte Maria Pia Porto Património Mundial Praça da Batalha Praça da Liberdade Praça da República Praça da Ribeira Praça de Almeida Garrett Praça de Carlos Alberto Praça de Gomes Teixeira Praça de Lisboa Praça do Infante Praça dos Poveiros Rua Barão de Nova Sintra Rua da Bainharia Rua da Madeira Rua da Ponte Nova Rua da Reboleira Rua das Flores Rua das Taipas Rua de 31 de Janeiro Rua de Álvares Cabral Rua de Ceuta Rua de Cimo de Vila Rua de Fernandes Tomás Rua de Gonçalo Cristóvão Rua de Miguel Bombarda Rua de Mouzinho da Silveira Rua de Passos Manuel Rua de S. Bento da Vitória Rua de S. João Novo Rua de S. Miguel Rua de Sá da Bandeira Rua de Sá Noronha Rua de Sampaio Bruno Rua de Santa Catarina Rua de Trás Rua de Trindade Coelho Rua do Almada Rua do Bonjardim Rua do Cativo Rua do Infante D. Henrique Rua dos Caldeireiros Rua dos Mercadores Rua dos Pelames Sem Abrigo Terreiro da Sé Travessa da Rua Chã V.N.Gaia Viela do Anjo Viela do Buraco Virtudes Vitória

A cidade por datas

Não deixe de visitar

Acerca de mim

A minha foto
Uma vida ao serviço da comunicação empresarial, como videógrafo, fotógrafo, designer e copywrighter.

Seguidores