9.8.06

Em Gonçalo Cristóvão

O todo e as partes de um conjunto de edifícios em ruína que constituem uma nódoa no centro do Porto há pelo menos duas dezenas de anos.













22 comentários:

  1. Como sempre gostei muito de reviver mais uma rua do Porto através destas fotos.
    Curiosamente, a última vez que fui ao Porto, por motivos de trabalho, fiz este bocado da rua a pé e se por um lado me pareceu evidente a degradação, por outro lado até degradados os edifícios do Porto são inconfundíveis. Degradados, mas ainda imponentes de uma certa forma.

    ResponderEliminar
  2. Verdadeiro serviço público, este outro lado da cidade surpreendente.
    Como o outro, de resto.

    ResponderEliminar
  3. Esta face, como um mendigo velho, não deixa de ter personalidade...aliàs, novo ou velho, o "velho" burgo é sempre de espantar de belo!
    Abraço, th

    ResponderEliminar
  4. Não deixa de ser sintomático que, entre as ruínas que aqui se vêem, estão os vestígios de um pequeno teatro (no edifício que foi da Mocidade Portuguesa salazarista), a testemunhar um tempo em que no Porto floresceram as companhias de teatro independentes. Agora, até o Teatro Experimental do Porto foi para Gaia! O Porto está mesmo mal!

    ResponderEliminar
  5. Com uma viragem de 180 graus, ainda podia ser que eu aparecesse, mas creio que não estou em ruínas, como essa vergonha para onde olho todos os dias (e que deve ser vista com voracidade pelos promotores imobiliários).

    "pequeno teatro (no edifício que foi da Mocidade Portuguesa salazarista)"?... Estou a falar de cor, mas posso dizer que o edifício em causa foi feito de raiz como teatro, tendo sido a casa da célebre trupe d'Os Modestos, talvez o mais importante grupo de tetro amador que o Porto do século XX teve. Suponho que é, actualmente, pertença da freguesia de Santo Ildefonso.

    ResponderEliminar
  6. Tem carradas de razão, caro POS, mas só no que respeita ao facto de naquele edifício ter funcionado durante muitos anos o Grupo de Teatro "Os Modestos". A sede da MP ficava um pouco mais abaixo e desapareceu há muito. Como fui esquecer-me dos "Modestos"?! Imperdoável, este meu lapso.

    Quanto a dizer que o edifício foi teatro de raíz, tal não parece ser verdade. Pelo menos, o seu aspecto exterior não parece ser o de um teatro. Fiz uma pequena pesquisa e verifiquei que, segundo Germano Silva, ele foi sede de uma tal "Associação das Classes Laboriosas" antes de alojar os "Modestos":
    http://jn.sapo.pt/2006/01/03/grande_porto/historias.html

    ResponderEliminar
  7. Caro Desnudado,

    O teatro é, efectivamente, de raiz (nunca aquela casa foi habitação, por exemplo), se bem que as utilidades fossem além do espectáculo cénico (havia os bailes, havia propósitos de beneficência...). Nunca lá entrei, mas já tive as plantas na mão, porque uma amiga fez uma investigação sobre os Modestos. Sei que actuaram lá outros grupos, antes dos Modestos, cuja "casa" anterior era um teatro cujo nome agora me falha, ali junto à Rua de José Falcão, demolido, salvo erro, para que fosse aberta a Rua de Ceuta. Quando estiver com o Germano, pergunto-lhe, mas creio não estar muito enganado.

    ResponderEliminar
  8. Peço perdão pelo s que acrescentei a "Denudado"... Saiu uma mistura de denudado com desnudo. Deve ser deste calor, que torna a roupa demasiado pesada...

    ResponderEliminar
  9. No conjunto, os posts representam uma riquíssima memória da cidade do Porto.
    Um abraço. Augusto

    ResponderEliminar
  10. Caros amigos;

    O Mais um Blogue comemora 1 mês de existência no próximo dia 20.
    Contribuam para que, até lá, chegue às 1000 visitas! Encarem isto como a vossa boa acção do dia!

    ResponderEliminar
  11. é quase inimaginável...

    ResponderEliminar
  12. Para mim é uma rua de todos os dias. E nunca tinha reparado que estava assim tão má.

    ResponderEliminar
  13. Caro Carlos,

    Parabéns pelo blog, apenas o conheço agora.
    Partilho contigo esta dor de diariamente assistir a crimes arquitectónicos e paisagísticos. De um modo geral, atentados à moral, ao bom senso e à estética na nossa cidade, cujo potêncial arquitectonico é imenso. O aproveitamento dos edíficios do porto poderia trazer benefícios incalculáveis à cidade, mas parece que isso salta aos olhos de poucos. O que parece tão obvio...
    Pode ser que isto mude agora com o novo Regime de Arrendamento Urbano. É possível que mude.
    Fazes aqui um importante trabalho.
    Farei um link para o teu blog.

    abraço

    ResponderEliminar
  14. no Porto até as ruínas são extraordinárias.
    saudações de um admirador de lisboa

    ResponderEliminar
  15. Há uma beleza inusitada nestas ruinas.
    Importa-se de criar fotografias com menos arte? é que ao visualizar as presentes ficamos a admirar esteticamente esta decadência..:)

    ResponderEliminar
  16. Olá!!
    Pertenço a um grupo de artistas plásticos S.O.P.A. (http:\\sopa-sinergia.blogspot.com). E como estamos a precisar de uma sede, venho contactar-lhe a perguntar se sabe se acha que se pode alugar ou fazer alguma coisa com o edifício nomeadamente restaurá-lo.
    Obrigado

    ResponderEliminar
  17. traspare una forza, e una voce, da queste fotografie.
    Un'anima.
    Il passato che interrompe il presente.
    Mi piacciono molto le foto che colgono solo i particolari. I particolari raccontano tutto.
    saluti
    F

    ResponderEliminar
  18. oi
    entrei neste blog ontem (por mero acaso) e (por mera coincidência) vim aqui parar hoje. prendi-me nas iomagens e pouco li porque como dizem uma imagem pode valer por mil palavras. é triste ver o porto, a cidade mais bela que conheci até hoje, degradar-se desta forma. mas não consigo deixar de achar encatador e por mais "velho" e "estragados" que estejam estes pedaços de ruínas não deixam de ter o seu encanto. porque também tu o vês e, por isso, quando fotografas pode até ser o degredo que procuras mas é beleza que encontras. faz sentido?

    ResponderEliminar
  19. Tanta casa sem gente, tanta gente sem casa...

    ResponderEliminar
  20. Com saudades do meu Porto encontrei este blog e é com os olhos cheios de lágrimas que vos agradeço em nome do meu bisavô Soares Correia (fundador d' Os Modestos) a memória desse teatro. A minha avó ficaria orgulhosa de saber que os portuenses ainda têm memória.

    ResponderEliminar
  21. Anónimo21.10.12

    Das Ruas da minha terra: edifício da Associação Portuense de Socorros Mútuos das Classes Laboriosas, instituída e instalada no dia 25 de Março de 1856 e confirmada por alvará régio de 10 de Março de 1857. Neste prédio foi fundado o Grupo dos Modestos (Escola de formação de muitos actores de teatro portuenses) em 25 de Setembro de 1902

    ResponderEliminar
  22. antonio31.8.15

    Obrigado pela descrição da Instituição a que pertence o Grupo dos Modestos.
    Andava intrigado com esta definição, encontrando agora o sentido das iniciais gravadas no ferro forjado da bandeira da porta do edificio.
    Ao centro tem um escudo com a data no cimo e centrada 1856. Em letras maiores e ao centro pode ver-se um C e um L (Classes Laboriosas). Em baixo, centradas as letras ASM ( Associação Socorros Mutuos).
    Seguramente que é uma dor de alma ver estes edificios em tamanha ruína, mas resta-nos a consolação de contribuir para que não morram na totalidade, pois sempre que os mencionamos, estamos a recuperá-los.
    Antonio

    ResponderEliminar

Etiquetas

A Brasileira Avenida da Ponte Avenida de Vímara Peres Bairro do Aleixo Calçada da Corticeira Câmara Municipal do Porto Carregal Cinema Águia d'Ouro Clérigos Cordoaria Edifício Imperial Fontainhas Fontes do Porto Fontinha Grafismos Guindais Horrores urbanos à moda do Porto Jardim Botânico Largo do Moinho de Vento Largo do Terreiro Largo dos Lóios Livrarias Mamarrachos Mercado do Bom Sucesso Miragaia Monumento a António Nobre O chão surrado O Porto a oriente O Porto não é a Disneylândia O Rapto de Ganimedes Outros temas Pena Ventosa Polícia de Segurança Pública Ponte Maria Pia Porto Património Mundial Praça da Batalha Praça da Liberdade Praça da República Praça da Ribeira Praça de Almeida Garrett Praça de Carlos Alberto Praça de Gomes Teixeira Praça de Lisboa Praça do Infante Praça dos Poveiros Rua Barão de Nova Sintra Rua da Bainharia Rua da Madeira Rua da Ponte Nova Rua da Reboleira Rua das Flores Rua das Taipas Rua de 31 de Janeiro Rua de Álvares Cabral Rua de Ceuta Rua de Cimo de Vila Rua de Fernandes Tomás Rua de Gonçalo Cristóvão Rua de Júlio Dinis Rua de Miguel Bombarda Rua de Mouzinho da Silveira Rua de Passos Manuel Rua de S. Bento da Vitória Rua de S. João Novo Rua de S. Miguel Rua de Sá da Bandeira Rua de Sá Noronha Rua de Sampaio Bruno Rua de Santa Catarina Rua de Trás Rua de Trindade Coelho Rua do Almada Rua do Bonjardim Rua do Cativo Rua do Infante D. Henrique Rua dos Caldeireiros Rua dos Mercadores Rua dos Pelames Sem Abrigo Terreiro da Sé Travessa da Rua Chã V.N.Gaia Viela do Anjo Viela do Buraco Virtudes Vitória

Não deixe de visitar

Acerca de mim

A minha foto
Uma vida ao serviço da comunicação empresarial, como videógrafo, fotógrafo, designer e copywrighter.

Seguidores